sexta-feira, 4 de março de 2011

Há um caminho que ao homem parece direito,mas o fim dele são os caminhos da morte. ( PV 14:12 )

Um rato, olhando pelo buraco na parede, vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote, pensou logo no tipo d comida q poderia haver ali, ao descobrir q era uma ratoeira ficou aterrorizado,correu ao pátio da fazenda advertindo a todos: Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa! A galinha disse:Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo q isso seja um grande problema para o senhor, + ñ me prejudica em nada, ñ me incomoda. O rato foi até o porco e lhe disse:Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira! Desculpe-me Sr. Rato, disse o porco, + ñ há nada q eu possa fazer,a ñ ser orar, fique tranqüilo q o senhor será lembrado nas minhas orações. O rato dirigiu-se então à vaca, e disse:Há uma ratoeira na casa uma ratoeira ! O q Sr. Rato? Uma ratoeira? Por acaso estou em perigo? Acho q ñ! Então o rato voltou pra casa, cabisbaixo e abatido para encarar a ratoeira do fazendeiro. Naquela noite ouviu-se um barulho, como o d uma ratoeira pegando sua vítima,a mulher do fazendeiro correu pra ver o q havia na ratoeira e no escuro, ela não viu q a ratoeira havia pego a cauda d uma serpente venenosa,e a cobra picou a mulher... o fazendeiro a levou imediatamente ao hospital,ela voltou c/ febre. Todo mundo sabe q para alimentar alguém c/ febre,nada melhor q uma canja d galinha, e o fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal. Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos vieram visitá-la. Para alimentá-los o fazendeiro matou o porco. A mulher ñ melhorou e acabou morrendo, muita gente veio para o funeral,o fazendeiro então sacrificou a vaca para alimentar todo aquele povo.

Esta simples história pode c/ certeza nos ensinar muito, quantas pessoas já vieram em busca d nosso auxílio? Algumas delas poderiam ser até mesmo nossos amigos ou parentes e sequer paramos para ouvir atentamente a aflição dessa pessoa, muitas vezes estamos tão presos às nossas próprias coisas, às nossas próprias necessidades q ñ estamos nem um pouco preocupados c/ o bem estar dos outros. Muitas vezes pensamos isso é meu! É tudo meu! E ñ queremos dividir nada. Não queremos dar nada! Não queremos nem ouvir a respeito dos problemas dos outros pra ñ nos comprometermos. E + ainda temos em nossa mesquinha e vazia vida a mania d achar q podemos tudo pq temos uma condição um pouco melhor,ou por estarmos fora da situação daquele q se encontra em uma condição inferior, + será q estamos pelo menos parando para analisar se o problema daquele q está na situação menos cômoda q a nossa também ñ nos afetará? Será q se pelo menos esse Ñ for o caso, estamos prontos pra amar d maneira incondicional? Pra estender nossa mão àquele q necessita da nossa ajuda? Será q temos o verdadeiro amor d Jesus em nossas vidas? Será q realmente aprendemos d Jesus o egoísmo?

Por isso meus irmãos, da próxima vez q vç ouvir dizer q alguém está diante d um problema e acreditar q o problema ñ lhe diz respeito, procure sempre se lembrar q quando há uma ratoeira na casa,toda a fazenda corre risco. Pense sempre q...“O problema d um é problema d todos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.